Em formação

10 perguntas sobre bullying ou bullying

10 perguntas sobre bullying ou bullying

O bullying é um problema que preocupa milhões de pais em todo o mundo. Qualquer criança pode ser intimidada, e é por isso devemos ficar alertas a qualquer indicação. O psicólogo Maria Jose Ruiz Pastor responde a todas as nossas perguntas sobre o bullying.

1. Que indicações nos fazem suspeitar da existência de bullying? Em muitas crianças, o que você vê é uma mudança de comportamento. Muitas vezes as crianças não verbalizam o que lhes acontece, mas notamos problemas de sono, problemas com a alimentação, irritabilidade, depressão ...

Nas crianças mais velhas vemos que ficam socialmente isoladas, que deixam de ter amigos, que preferem ficar sozinhas no recreio. Todo esse tipo de comportamento nos diz que algo está errado e é aí que temos que intervir para ver o que está acontecendo. O ideal é conversar com ele, ouvi-lo muito e também devemos ir à escola, conversar com o professor e colocar as medidas para amenizar esse sofrimento na criança.

2. Qual é o perfil da criança vítima de bullying? Em princípio, qualquer criança pode ser intimidada, mas os agressores tendem a escolher muito bem suas vítimas: eles tendem a ser crianças mais submissas e retraídas, com menos amigos e apoio social. Eles sabem com quem podem mexer e com quem não podem ... se tiverem que escolher um filho com quem sair mais forte, ele será o mais fraco.

3. Como distinguir o bullying de uma briga na escola? Para ser considerado assédio, é algo que ocorre repetidamente. Uma briga pode ser impulsiva, mas pode separá-los, eles se acalmam e não precisa acontecer de novo. Se existe uma criança que maltrata repetidamente outra criança, com agressão, humilhação, isolando-a, culpando-a ... isso já é abuso, porque é algo que se sustenta com o tempo.

4. Como fazer a criança contar o que está acontecendo com ela? Os pais da criança vítima de bullying frequentemente descobrem com os outros pais ou colegas de classe de seus filhos que as contam. Nesse caso, você tem que ir falar com o professor. A escola, nesse caso, ativa um protocolo: a criança é observada e o que está acontecendo é observado. Se eles virem que uma criança nunca pode brincar porque eles não deixam ... então eles têm que intervir e trabalhar para que todos estejam integrados.

5. Devemos ensinar as crianças a agir quando virem outra criança sendo intimidada? Há crianças que intervêm e até relatam um caso de bullying. Mas não é uma situação confortável, porque o agressor também se volta contra ele. Essas bravas crianças precisam ser muito reforçadas, pois é o comportamento que todos deveriam ter.

6. A criança sendo intimidada está com medo? Freqüentemente, eles têm medo de retaliação do grupo. Muitas vezes, o assédio ocorre em locais que não são vigiados e eles têm medo de serem rotulados de 'delatores'. Muitas vezes essas crianças se sentem culpadas pelo que acontece com elas. Desde o início, você deve dizer a eles que ele não é o culpado.

7. Como devem reagir os pais de crianças abusivas? Às vezes é a escola que liga para os pais de uma criança abusiva e eles não sabem. Muitas vezes, ele não é uma criança de baixo desempenho. São crianças muito populares, que têm muitos amigos, notas muito boas e em casa se comportam muito bem, mas na escola, por qualquer motivo, ele está mexendo com outra criança.

Se nos falam da escola que nosso filho faz isso, mesmo que nos surpreenda, temos que aceitar, e conversar com nosso filho, para ver por que ele tem esse comportamento, sem culpá-lo diretamente. Você tem que descobrir por que isso acontece. E eles sempre têm que reparar os danos que causaram. Você tem que sentir a culpa e se arrepender.

8. O bullying é o mesmo em meninos e meninas? O bullying geralmente se manifesta de forma diferente. As crianças são mais impulsivas e mais sujeitas a agressões físicas e verbais. As meninas têm maior probabilidade de evadir-se umas das outras, de isolá-la socialmente e de fazer com que seu grupo a exclua, mas à medida que envelhecem, comportamentos agressivos ocorrem em ambos os casos.

9. A partir de que idade pode ocorrer assédio? A partir dos 6 ou 7 anos, as crianças já começam a ter consciência dos danos que podem causar.

10. Há mais bullying agora? Sempre existiu, mas antes se dizia "é coisa de criança" e agora temos mais consciência dos danos que causa: sabemos que as crianças saem com baixíssima autoestima e que tem prejuízo psicológico nas crianças.

Você pode ler mais artigos semelhantes a 10 perguntas sobre bullying ou bullying, na categoria Bullying no local.


Vídeo: Proerd - Ensino Fundamental Anos Iniciais - Ano - Aula 9 (Janeiro 2022).