Em formação

Por que as crianças não precisam ser as melhores

Por que as crianças não precisam ser as melhores

Desde que nascem, pedimos que sejam os melhores: fale cedo, aprenda a ler primeiro, mostre o quanto você sabe inglês. Seja o melhor, sempre o melhor. Tirar as melhores notas, tirar a faixa-preta de judô, ser o artilheiro em todas as partidas ... A gente não percebe, mas sim. Basta perguntar ... e seu amigo ... que nota seu amigo tirou?

Mas as crianças eles não precisam ser os melhores. O que eles precisam é ser felizes. Especialistas alertam do perigo desta educação baseada na competitividade. O resultado pode ser devastador para a criança.

As crianças nascem com um dom. Sempre há algo em que ele brilhará. Um presente que o tornará especial, único. Você não precisa exigir que seja o melhor em tudo. O melhor em matemática, em arte, em todos os esportes ... Ele não precisa ser o melhor, ele só precisa ser feliz.

Educadores e psicólogos alertam: torne a criança competitiva e exija que ela seja a melhor, pode causar todos estes problemas:

1. Frustração: A competição constante não cria nada além de frustração e estresse, porque você nem sempre conseguirá o que se propôs a fazer. Exigir demais de uma criança faz com que ela sinta que está decepcionando a si mesma e a seus pais. E o pior de tudo: essas crianças vão crescer com um medo constante do fracasso.

2. Baixa autoestima: Se um pai está constantemente exigindo que seu filho seja o melhor em tudo, tudo o que ele pode fazer é não confiar em suas chances. É normal: ele se esforça, mas eles exigem cada vez mais ... ou seja, a criança vai acabar pensando que não é capaz de alcançar o que seus pais exigem porque nunca se torna perfeita.

3. Desconfiança: A competitividade cria desconfiança nos outros. E também tira a liberdade de viver a infância ao máximo.

4. Perda de títulos: É difícil competir com os outros sem cair em sentimentos como ciúme, raiva, medo. Muitas vezes, a criança acabará sacrificando valores positivos como companheirismo ou solidariedade em busca de seus benefícios.

5. Infelicidade: No final, uma criança que passa o dia competindo com as outras não fica feliz. É algo que foi imposto a ele, não que ele tenha procurado. Não é o seu caminho: é o caminho que seus pais traçaram para ele. Uma criança pode ser feliz sem se sentir livre para escolher seu próprio caminho? Uma criança pode ser feliz sem gostar do que aprende em seu próprio ritmo?

Lembrar: eduque seu filho para ser feliz, não para ser o melhor. Quão?

1. Ajude-o curtir o que você gosta e tirar o melhor de si, descobrindo onde se destaca ou o que mais gosta.

2. Ajude-o para realizar seus sonhos, não é teu.

3. Deixe-o viver sua infância como uma criança, não como um adulto. Se você insistir que ele compete desde jovem, ele crescerá como um adulto vazio e emocionalmente problemático.

4. Não dê tudo feito. Deixe-o aprender com seus erros. Isso aumentará sua autoconfiança.

5. Ensine-o a superar suas frustrações. Não deixe nada pará-lo. Explique que ele vai tropeçar no caminho e que precisa se levantar novamente para continuar no caminho.

6. Ensine-lhe valores que preencherão sua vida e eles certamente lhe trarão felicidade. Por exemplo, bondade, solidariedade ou empatia.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Por que as crianças não precisam ser as melhores, na categoria Títulos e Valores Mobiliários, no site.


Vídeo: Ana Vilela - Trem-Bala - Clipe Oficial (Pode 2021).